30
jan
08

Entrevista com os Criadores do Mapa cs_rio

Enquanto aquela palhaçada sobre a proibição de CS e Everquest continua, fazemos o que podemos para divulgar o que anda acontecendo. Dessa vez, temos aqui uma entrevista com Roger e Joca, os criadores do tão falado mapa cs_rio, um dos “responsáveis” pelo banimento do CS das lojas.

Como e quando surgiu a idéia de recriar uma favela carioca?

A idéia surgiu em uma LAN em que jogávamos Half-Life deathmatch e por conseqüência o Counter-Strike. O Roger já era programador, e também era ligado em games, uma vez ele até fez o prédio em que moravamos na plataforma do DOOM. E nesta onda de cenários para games, resolvemos arriscar em um para Counter-Strike. Como bem no começo do Counter-Strike existiam mapas como Iraq, Italia e Havana, achamos que o Brasil deveria ter um mapa, e nada melhor que uma favela no Rio de Janeiro para retratar um jogo de polícia e ladrão.

 

Quanto tempo levou para o cenário ficar pronto?

O tempo todo de trabalho, desde o primeiro rascunho a lápis até estar disponível para download, foi de um ano inteiro. Claro que foi feito aos poucos, pois como trabalhamos a semana toda, nos dedicávamos aos fins de semana.

 

 

Qual a repercussão, na época em que foi disponibilizado, entre os demais jogadores?

Foi muito positiva. Só no primeiro mês muita gente baixou, não só pelo site do cs_rio original, como em outros sites que também disponibilizaram o mapa, como por exemplo o da Info, e do Terra. Logo na seqüência veio a CPL no Renassaince onde o mapa foi divulgado e ovacionado. Também rolou um campeonato na Alemanha só com o cs_rio. Os europeus adoraram o mapa, pelo exotismo e pelo campinho de futebol jogável.

Qual foi a reação de vocês ao sucesso do mapa?

Totalmente inesperada. O negócio só começou a pegar fogo quando começamos a receber cartas do mundo todo comentando o mapa. Quando começou a aparecer na mídia, em revistas de informática, matérias de jornal e, principalmente, na televisão nas emissoras maiores. Gravamos um programa de televisão voltado a games, entrevistas e outras coisas que também repercutiram.

 

Como vocês se sentiram quando souberam do banimento do mapa no Rio de Janeiro? E do recente banimento do jogo Counter-Strike em todo o território nacional (que foi “justificado” pelo conteúdo do mapa, que não está incluído no jogo)?

Acho muito esquisito este negócio de banir um jogo, ou até um mapa. O cs_rio já foi banido antes, em LANs do Rio de Janeiro, e agora essa questão voltou a tona de novo.

NUNCA RECEBEMOS UM EMAIL, OU QUALQUER INFORMAÇÃO PARA TIRAR UM MAPA DA NET, está aí até hoje, é só baixar e ter o counter. Acho que existe tanta coisa no Brasil para se preocupar, em vez de proibir games.

Acredito que as pessoas que proibiram o Counter-Strike devem ter tido um infância difícil, onde na escola recebiam castigos de ajoelhar no milho e eram surradas pela “palmatória”, ou ainda eram abusadas sexualmente pelos professores, porque voltar a esta questão é voltar à censura, à época que aconteciam estas coisas.

O banimento não resolve nada, pelo contrário, atrai mais interesse para o jogo. Nessas épocas, o download do cs_rio vai para as alturas!

 

 

Vocês acham que “[Counter-Strike] reproduz a guerra entre bandidos e policiais e impressiona pelo realismo.” como diz o texto publicado pelo PROCON de Goiás?

Pra você ter um idéia, esta frase aí veio da TV Globo, em uma matéria que saiu no Jornal Hoje em 2002, que pode ser achado no YouTube.

Acho que a frase “impressiona pelo realismo” é muito gratificante para nós. Realmente, foi um grande trabalho achar e criar as texturas, e mérito para o pessoal da Valve q fez o Half-Life e seus derivados.

Estamos em 2008, e o grande trunfo dos games e programas gráficos é se aproximar ao máximo da realidade, como você pode ver agora o com o game Crysis: é super realista e com isso é sucesso no mundo todo.

Acho que o pessoal do PROCON deveria ver menos televisão e tirar suas próprias conclusões.

Compare o texto da Globo e do Procon:

http://www.youtube.com/watch?v=elzxfXetgTo

http://www.procon.go.gov.br/procon/detalhe.php?textoId=001092

 

 

Em algum momento é afirmado ou fica implícito no mapa que os terroristas são “traficantes do Rio de Janeiro” e que seus reféns são “três representantes das Nações Unidas” como diz o texto publicado pelo PROCON de Goiás?

Sim! Todo mapa de counter-strike tem uma história por trás, um motivo para a peleja estar acontecendo, um porquê para resgatar os reféns e o mesmo para plantar bombas. A idéia de reféns da ONU é muito criativa e tornou o cs_rio ainda mais polêmico. Com certeza existem jogos com histórias bem mais cabeludas, como destruição da Terra, da humanidade, e estes não são proibidos.

Em vários jogos vale matar o Sadam, o Bin Laden, pelotão da SWAT, terroristas, tropas americanas e japonesas. Mas matar bandidos brasileiros, não!

 

 

No mapa “Quanto mais PM´s matar, mais pontos.” como diz o texto publicado pelo PROCON de Goiás?

Primeiro que não são Pms, e sim os próprios “Counter Terrorist” do jogo. Se você já jogou Counter-Strike, vai ver que os terroristas mesmo no mapa da favela não são traficantes ou maloqueiros, e sim terroristas comuns de qualquer organização. O mesmo vale para os CTs. Eles nem falam português!

 

 

Vocês já ouviram falar que “Na visão de especialistas, o jogo ensina técnicas de guerra, haja vista o jogador deve ter conhecimento sobre táticas de esconderijo, como se estivesse numa guerrilha.” como diz o texto publicado pelo PROCON de Goiás?

Disso eu não sabia! Gostaria que o PROCON de Goias me enviasse um link com os tutoriais destas táticas!, quem sabe nós gamers aprenderemos mais de Counter com eles, já que se preocupam tanto. No Counter, posso estar numa guerrilha mesmo, como também numa montanha de neve, num supermercado. Isso vai de cada cenário.

 

 

Se vocês quiserem adicionar mais algum depoimento ou declaração sobre o assunto, sintam-se livres para tal. Toda declaração será publicada na íntegra e sem alterações.

Com essas proibições, acredito que o mercado esquente ainda mais para a venda de softwares “piratas”, já q não tem mais do original. Pior pro governo q não vai receber imposto.

E pelo que estou vendo, proibiram a venda do Counter e não do Half-Life nem Half-Life 2, o que mostra ainda mais que as pessoas que proíbem não entendem nada do game. É como proibir o Big Mac e não o Mac Donalds…

Se for seguir este raciocínio, tem que banir 90% dos jogos do mercado.

 

Sobre o cs_rio, o mapa é sucesso no Brasil. Onde tem Counter, praticamente tem cs_rio, e já ganhou prêmios internacionais.

Agora na tv tem até novela com favela, tá na moda. Pra você ter uma noção, o cs_rio foi lançado em 2001, antes do filme Cidade de Deus, BOPE, acredito que serviu de inspiração para o cinema nacional. Outro dia, estava assistindo Cidade dos Homens e tem uma cena aonde os bandidos invadem o morro pelo campinho de futebol. Impressionante, mas era uma “releitura” do cs_rio, só que em filme. Acho que o filme é de 2006, vale a pena assitir e ficar de cara.

Pode esperar que aí vem mais confusão.

 

Roger e Joca


2 Responses to “Entrevista com os Criadores do Mapa cs_rio”


  1. 1 nil
    julho 7, 2008 às 6:07 pm

    Olá pessoal adoro o cs_rio, eu tambem crio mapas pra cs
    so q vo para pq perco meu tempo todo fazendo os mapas mais
    nao tem nenhum fins lucrativo queria guanhar alguma coisa com isso.
    tenho otimas ideias.
    se vcs quizerem eu mostro alquns mapa q fis

    áte mais..

  2. 2 Odeio Cs_rio
    agosto 14, 2012 às 8:00 pm

    cs_rio é um lixo ! ao gosto deste jogo podre ! Prefiro Cs_Militia


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: